Pular para o conteúdo principal

I need it.

Analiso uma música, ou melhor, eu tento. Mil tentativas de encontrar uma tradução nelas, a que mais reflete minha atual situação. Dou uma pausa, até porque as músicas não são um espelho e minhas dúvidas não podem ser refletidas, mas sim multiplicadas. Um questionamento me leva a outro, e isso me preocupa... Onde está o fim? Paro de me perguntar durante alguns minutos, e meus pensamentos pesam. Algo parecido com o nevoeiro que está lá fora, esse chove e não molha. Ansiedade, loucura, ódio, insegurança, medo, timidez. Mil e um pensamentos, parte perdidos, uma parte roubada. E procurando palavras pra convencer qualquer pessoa de que estou no lugar certo e no tempo errado, eu penso que poderia tentar parar de convencer os demais, e atender às necessidades de minhas convenções. Esse modo destemido em escrever, poderia muito bem funcionar ao falar. Meus pensamentos viram tristeza, é uma metamorfose quase que involuntária. Eu olho para alguns lugares e tento imaginar algo a mais nos mesmos. Espaços vazios, que horas são agitados, outras solitários (especialmente quando estou os observando). Esses lugares poderiam falar, e contar tudo o que acontece, não é? São poucas pessoas que pensam em coisas assim, não que eu queira me sentir um ser superior por pensar em uma coisa tão inútil. Protesto... É inútil pra você! Sempre dei valor aos sentimentos, levando-os em primeiro lugar na minha vida. Penso, penso e logo DESISTO. São tantos problemas, tantos questionamentos. E então começo a pensar nesses espaços vazios, e como deveriam ser definitivamente preenchidos. Como penso muito, acabo relacionando o espaço material, com as lacunas dentro de mim. O coração sempre foi um símbolo, não certamente se ele é o centro das emoções. Mas enfim, desvio o assunto novamente. Mania? Não, é um vício. Lacunas são espaços vazios, certo? Estou certa, não venha me acusar por não conseguir preenchê-los durante todo o tempo. Mas se foram feitos para serem ocupados por algo, porque esse vazio tão grande? Agora eu estou falando de um cubo, mas mudo a qualquer momento para falar do interior de um corpo. Vejo flashes das pessoas conversando, sorrindo ou apenas em silêncio... Solidão. Não que isso seja para sempre, não no cubo. Quer saber? Cansei de falar da minha dor. Estou tentando expô-la, mas é difícil. Tento outra vez, quem sabe amanhã. Hoje se acabaram as justificativas para um sofrimento que estava predestinado. . My depression, my reason. Could you understand it, please? I need your help.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O seu guarda chuva amarelo

Que bobagem acreditar tão fortemente em amor verdadeiro. Que ingenuidade achar que existe uma pessoa que está esperando por você na hora e lugar certo. Que loucura achar que esse alguém era você.
Tudo dizia pra mim que eu finalmente tinha encontrado... A gente tinha tanta coisa em comum! O fluxo era perfeito, alguns desentendimentos, mas qual casal não tem? É, tudo conspirava a favor, até nos dias mais difíceis. E quando dava errado, ou você parecia meio distante eu fazia dar certo, porque afinal, o amor é daqueles que não desistem. Mas você desistiu, e o amor não foi mais pra gente.
O tempo passou, e no começo onde tudo isso mais doía do que me aliviava, eu me sentia estúpida por acreditar em toda a história de que todo mundo tem o seu guarda chuva amarelo por aí. "Mas que bobagem! Onde já se viu alguém esperar tanto pelo amor? Esperar tanto dele?". Então, um dia veio a força. A força e a coragem de continuar esperando... Por alguém que talvez já tenha até passado pela min…

A saudade é de alguém, não de você

Quando a gente se acostuma a se relacionar com uma pessoa, o término pode dar aquela amostra grátis do fim do mundo: a gente acha que pode até morrer de amor e de saudade (morre nada, linda! Tô vivíssima), que nunca mais vamos encontrar alguém "que te entenda, complete e blablabla". A verdade é que isso é tudo lorota. Existem 63764874638263828473737382482 pessoas no universo, e com certeza alguém melhor (ou quem sabe até um sósia) você vai encontrar.  A gente fica na bad por dias, meses, emagrece, tenta ficar mais bonita pra ver se aquele "the one" volta.  Mas vou te dar uma triste notícia: ele não volta. Não volta porque se acabou de um jeito trágico, nem deve voltar, e se voltar vai dar merda! A gente também acha que o mundo vai acabar, mas não acaba (não por causa de um boy).  O que eu já percebi é que depois de um tempo a gente não sente falta daquela pessoa em especial: a falta é de ter alguém, quem sabe até melhor. Alguém pra te acompanhar e dividir o fardo,…

Se a gente soubesse como seria difícil

O mundo ideal é facinho de imaginar, né?
A gente pensa num caminho, mas sabe que pode dar tudo bem errado e já cria um maravilhoso caminho alternativo florido e colorido na nossa cabeça.
No mundo ideal as coisas dão certo.
No mundo ideal sempre dá tempo pra tudo.
No mundo ideal o amor cabe certinho na sua vida, e tudo é totalmente recíproco... Ilusão.
Se a gente soubesse como seria difícil se desprender das pessoas, e pudéssemos controlar todos os nossos sentimentos, acho que tudo seria mais simples. Acontece que infelizmente o coração é burro e a nossa mente complicada demais para conseguir comandar cada estímulo que alguém pode causar na gente (e acho que nem milhares de estudos ou máquinas um dia bloquearão aquela sensação de quando a pessoa que a gente ama nos abraça).
É que sei lá, pensar no passado e no que gostaríamos de mudar é muito fácil. Hoje mesmo me peguei dizendo isso a um amigo:
- Mah, se eu pudesse voltar no tempo, jamais teria me relacionado com tal pessoa. Ele era m…