Pular para o conteúdo principal

Tantas coisas que eu quero falar pra você .

Mas jamais consegui. Por que? ♪
Minhas palavras às vezes parecem balas, só esperando serem atiradas. Quase acertei... comecei com as palavras certas, mas no final eu acabei negando tudo. É, eu vou negar o quanto for necessário. Enquanto durar essa doce ilusão, e quiçá até o fim da minha vida. Cresci assim, negando sentimentos... Isso nunca me tornou mais forte. Vezes isso me mandou para um calabouço, onde ninguém mais pôde me ouvir. Hoje ainda estou aqui, e eu desejo desesperadamente o fim dessa agonia. Sei lá, não sei... às vezes eu lamento demais, lembro demais, amo demais. Mas é normal, eu aprendi a ser assim. Até porque todas essas coisas pelas quais passei teve algum significado, olhando pelo lado positivo inexistente em mim. Só procuro uma força maior, que possa me sugar e me prender, até que eu encontre a felicidade. E que a nostalgia dos sorrisos me abandone, e se torne realidade.
Paz, é só isso que eu desejo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O seu guarda chuva amarelo

Que bobagem acreditar tão fortemente em amor verdadeiro. Que ingenuidade achar que existe uma pessoa que está esperando por você na hora e lugar certo. Que loucura achar que esse alguém era você.
Tudo dizia pra mim que eu finalmente tinha encontrado... A gente tinha tanta coisa em comum! O fluxo era perfeito, alguns desentendimentos, mas qual casal não tem? É, tudo conspirava a favor, até nos dias mais difíceis. E quando dava errado, ou você parecia meio distante eu fazia dar certo, porque afinal, o amor é daqueles que não desistem. Mas você desistiu, e o amor não foi mais pra gente.
O tempo passou, e no começo onde tudo isso mais doía do que me aliviava, eu me sentia estúpida por acreditar em toda a história de que todo mundo tem o seu guarda chuva amarelo por aí. "Mas que bobagem! Onde já se viu alguém esperar tanto pelo amor? Esperar tanto dele?". Então, um dia veio a força. A força e a coragem de continuar esperando... Por alguém que talvez já tenha até passado pela min…

O que eu nunca fui

Ainda ontem assisti vídeos, vi fotos, senti cheiro de memória.
Aquela criança estava ali, com aqueles olhos gigantes e a melancolia que sempre me acompanhou. Era eu. Eram os meus olhos, os mesmos grandes olhos que vejo no espelho, os mesmos que ardem e desaguam sempre que me altero.  Era eu criança, mas nem tão pequena como me sinto de vez em quando.  É um sentir-se pequeno diferente, é ver que não havia maldade, não havia tristeza, e não haviam decepções.
Eu nunca fui a mais popular da escola, a amiga indispensável e insubstituível, a mais bonita do grupinho, muito menos a pessoa que sempre tem alguém do lado... E não reclamo. De tudo o que nunca fui, uma coisa posso afirmar: a minha dignidade e sinceridade sempre andaram comigo. Sempre, mesmo nas piores hipóteses, mesmo com as piores pessoas.

Resumo o que nunca fui em tudo o que vejo nas pessoas: a maldade, o egoísmo e coisas do tipo. Eu procurei sempre não me igualar ao pior, muito pelo contrário, sempre involuntariamente fui o op…

A saudade é de alguém, não de você

Quando a gente se acostuma a se relacionar com uma pessoa, o término pode dar aquela amostra grátis do fim do mundo: a gente acha que pode até morrer de amor e de saudade (morre nada, linda! Tô vivíssima), que nunca mais vamos encontrar alguém "que te entenda, complete e blablabla". A verdade é que isso é tudo lorota. Existem 63764874638263828473737382482 pessoas no universo, e com certeza alguém melhor (ou quem sabe até um sósia) você vai encontrar.  A gente fica na bad por dias, meses, emagrece, tenta ficar mais bonita pra ver se aquele "the one" volta.  Mas vou te dar uma triste notícia: ele não volta. Não volta porque se acabou de um jeito trágico, nem deve voltar, e se voltar vai dar merda! A gente também acha que o mundo vai acabar, mas não acaba (não por causa de um boy).  O que eu já percebi é que depois de um tempo a gente não sente falta daquela pessoa em especial: a falta é de ter alguém, quem sabe até melhor. Alguém pra te acompanhar e dividir o fardo,…