Pular para o conteúdo principal

E o que sinto é medo?

Tenho a sensação de tudo estar acontecendo muito rápido, como sempre. Eu simplesmente não consigo controlar a velocidade dos fatos, e então sempre tenho medo de perder o controle da situação. Dessa vez está tudo um pouco diferente, porque já passei várias vezes pelas mesmas situações, e sei como pode terminar, da mesma forma que por intervenção do destino possa terminar diferente e tudo ter um final feliz. Mas e então, poderia mudar alguma coisa? Então tá, vou tentando falar menos, acreditar menos, e confiar mais somente em mim. Primeiro dia: tudo certo! Segundo: eu não fiz absolutamente nada, mas obtive os resultados desejados. Terceiro... Igualzinho como sempre faço. Horas e horas de conversação, mas sentindo alguma coisa diferente, uma confiança misturada com familiaridade. Dá pra entender? Não! Mas não posso cobrar a compreensão de outro ser, quando não entendo nem as minhas ideias e reações perante algumas pessoas que surgem na minha vida. E então fui cedendo a confiança, e cada palavra trocada, era como se esses dias fossem alguns meses, e então todos em casa. E entre uma frase e outra, quando me dei conta já era 2014... A grande madrugada de festejos, o primeiro dia de um ano novinho em folha pra fazer história. E então no primeiro dia de 2014 não foi diferente dos últimos de 2013: conhecendo mais e mais, e gostando mais e mais do desconhecido. É bem estranho me deixar levar por isso, mas também não consigo lutar contra. Depois de tantos meses lamentando uma partida, perdendo o meu tempo com pessoas vazias, aparece uma pessoa que mostra ser bem diferente de todos os outros. Eu não sou de ferro, mas também sei que devo ser forte em algumas situações. Mas voltando a 2014, foi bem legal ao vivo e a cores. Algo bem desconhecido mesmo, fazia muito tempo que eu não fazia algo do tipo. Horário marcado, e sem saber o que aconteceria? Eu queria dizer que não estava curiosa/nervosa/ansiosa/amedrontada. É como entrar em uma sala escura onde você nunca esteve antes: você não sabe onde estão as coisas, onde pisar sem ter medo de cair, onde terá um obstáculo, e como vai sair dali. Queria que fosse diferente, mas essas coisas na vida a gente tem que passar. Falando em ''passatempo'', o que mais que amedronta é os dias estarem passando e a cada hora eu estar mais insegura de tudo. A insegurança não é por ser quem eu sou, ou pelo que dirá de mim... E sim por não saber o que vai acontecer, mesmo sabendo que isso ninguém pode prever. A vida é cheia de escolhas e caminhos, é claro. Isso aprendemos assim que nascemos, mas difícil mesmo é lidar com todos esses obstáculos. Nesses caminhos, uma rua que viramos já conta como decisão, um adeus torna muita coisa diferente, e um não pode separar duas vidas pra sempre. E então... Acho que o meu medo é realmente o não.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O seu guarda chuva amarelo

Que bobagem acreditar tão fortemente em amor verdadeiro. Que ingenuidade achar que existe uma pessoa que está esperando por você na hora e lugar certo. Que loucura achar que esse alguém era você.
Tudo dizia pra mim que eu finalmente tinha encontrado... A gente tinha tanta coisa em comum! O fluxo era perfeito, alguns desentendimentos, mas qual casal não tem? É, tudo conspirava a favor, até nos dias mais difíceis. E quando dava errado, ou você parecia meio distante eu fazia dar certo, porque afinal, o amor é daqueles que não desistem. Mas você desistiu, e o amor não foi mais pra gente.
O tempo passou, e no começo onde tudo isso mais doía do que me aliviava, eu me sentia estúpida por acreditar em toda a história de que todo mundo tem o seu guarda chuva amarelo por aí. "Mas que bobagem! Onde já se viu alguém esperar tanto pelo amor? Esperar tanto dele?". Então, um dia veio a força. A força e a coragem de continuar esperando... Por alguém que talvez já tenha até passado pela min…

O que eu nunca fui

Ainda ontem assisti vídeos, vi fotos, senti cheiro de memória.
Aquela criança estava ali, com aqueles olhos gigantes e a melancolia que sempre me acompanhou. Era eu. Eram os meus olhos, os mesmos grandes olhos que vejo no espelho, os mesmos que ardem e desaguam sempre que me altero.  Era eu criança, mas nem tão pequena como me sinto de vez em quando.  É um sentir-se pequeno diferente, é ver que não havia maldade, não havia tristeza, e não haviam decepções.
Eu nunca fui a mais popular da escola, a amiga indispensável e insubstituível, a mais bonita do grupinho, muito menos a pessoa que sempre tem alguém do lado... E não reclamo. De tudo o que nunca fui, uma coisa posso afirmar: a minha dignidade e sinceridade sempre andaram comigo. Sempre, mesmo nas piores hipóteses, mesmo com as piores pessoas.

Resumo o que nunca fui em tudo o que vejo nas pessoas: a maldade, o egoísmo e coisas do tipo. Eu procurei sempre não me igualar ao pior, muito pelo contrário, sempre involuntariamente fui o op…

A saudade é de alguém, não de você

Quando a gente se acostuma a se relacionar com uma pessoa, o término pode dar aquela amostra grátis do fim do mundo: a gente acha que pode até morrer de amor e de saudade (morre nada, linda! Tô vivíssima), que nunca mais vamos encontrar alguém "que te entenda, complete e blablabla". A verdade é que isso é tudo lorota. Existem 63764874638263828473737382482 pessoas no universo, e com certeza alguém melhor (ou quem sabe até um sósia) você vai encontrar.  A gente fica na bad por dias, meses, emagrece, tenta ficar mais bonita pra ver se aquele "the one" volta.  Mas vou te dar uma triste notícia: ele não volta. Não volta porque se acabou de um jeito trágico, nem deve voltar, e se voltar vai dar merda! A gente também acha que o mundo vai acabar, mas não acaba (não por causa de um boy).  O que eu já percebi é que depois de um tempo a gente não sente falta daquela pessoa em especial: a falta é de ter alguém, quem sabe até melhor. Alguém pra te acompanhar e dividir o fardo,…