Pular para o conteúdo principal

Ego-conto: isso é apenas sobre mim

O que saber sobre mim? 
10 de maio, 1994. Não, eu não sei se era uma tarde quente, fria ou chuvosa. Apenas nasci, e trouxe algumas alegrias, e consequentemente, responsabilidades para meus pais.
Nasci pequena, cresci alguns centímetros e aqui estou: 1,52. Cabelos pretos, olhos gigant...
Chega, esse não era o intuito da postagem.

É sobre me conhecer da forma que nem eu me conheço. Aqueles pequenos e meros detalhes que fazem toda a diferença, mas só o outro pode notar. Uma vez, um ex namorado listou 4 manias minhas que ele dizia me tornar única (pelo menos pra ele). Então, vamos lá:

1- a maneira como eu rio quando estou nervosa/com vergonha: parece que alguém está contando piada com uma faca na mão me obrigando a rir. (nunca entendi direito, talvez, um dia façam um vídeo quando perceberem esse meu estado, porque gostaria de verificar) ;

2- comer pizza começando pela borda. "Gray, porque você começa pelo que deveria ser o fim?";

3- os extremos gostos musicais, quando foi notado a presença de Falamansa e Lacuna Coil na mesma playlist;

4- minha coleção de coisas inúteis (tampas de cerveja, papel de bala, canetas vazias, etc).

Não, isso não me faz "diferentona". Cada um tem um ponto de vista sobre cada pessoa que observa. E qual é o meu sobre o meu próprio ser? É que ainda não me descobri. Tenho tantas partes a serem desvendadas, forças a serem medidas e testes de resistência.
Eu sou alguém, disso sei com certeza. Possuo um rg, certidão de nascimento, cadastro de pessoa física e sonhos intermináveis que traçam o meu nome. Eu sou alguém, disso não tenho dúvidas.
Mas quem é esse alguém?
Fica a dúvida.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Eu não quero mais sentir saudade

Queria desabafar sobre coisas que talvez um dia você leia e entenda.
Queria dizer  que tem sido difícil  abrir mão do que eu prometi pra mim, pois abrir excessão nem sempre é a coisa mais fácil a se fazer. Eu prometi, fiz um voto selado pela minha própria  desistência de que meu coração havia sido fechado pra balanço. Eu andava meio sei lá, nem aí pra vida ou pra alguém... a ausência da saudade e do querer estar perto.  Os conflitos gerados dentro da minha própria mente já  haviam me conduzido  pra um caminho onde nada mais importava além da minha vida, da minha felicidade, do meu umbigo, das minhas necessidades. E ai... você chegou.
Gostaria de dizer que chegou do nada, que em um dia chuvoso você apareceu na estação de metrô, olhei pra você e sabia que você era o que eu procurava (ja conhecemos essa história, que é linda, mas não é nossa). Posso dizer que chegou de repente, me fez dar boas risadas mas a princípio não era o meu motivo. Precisei quebrar a cara algumas vezes, mesmo dep…

O seu guarda chuva amarelo

Que bobagem acreditar tão fortemente em amor verdadeiro. Que ingenuidade achar que existe uma pessoa que está esperando por você na hora e lugar certo. Que loucura achar que esse alguém era você.
Tudo dizia pra mim que eu finalmente tinha encontrado... A gente tinha tanta coisa em comum! O fluxo era perfeito, alguns desentendimentos, mas qual casal não tem? É, tudo conspirava a favor, até nos dias mais difíceis. E quando dava errado, ou você parecia meio distante eu fazia dar certo, porque afinal, o amor é daqueles que não desistem. Mas você desistiu, e o amor não foi mais pra gente.
O tempo passou, e no começo onde tudo isso mais doía do que me aliviava, eu me sentia estúpida por acreditar em toda a história de que todo mundo tem o seu guarda chuva amarelo por aí. "Mas que bobagem! Onde já se viu alguém esperar tanto pelo amor? Esperar tanto dele?". Então, um dia veio a força. A força e a coragem de continuar esperando... Por alguém que talvez já tenha até passado pela min…

A saudade é de alguém, não de você

Quando a gente se acostuma a se relacionar com uma pessoa, o término pode dar aquela amostra grátis do fim do mundo: a gente acha que pode até morrer de amor e de saudade (morre nada, linda! Tô vivíssima), que nunca mais vamos encontrar alguém "que te entenda, complete e blablabla". A verdade é que isso é tudo lorota. Existem 63764874638263828473737382482 pessoas no universo, e com certeza alguém melhor (ou quem sabe até um sósia) você vai encontrar.  A gente fica na bad por dias, meses, emagrece, tenta ficar mais bonita pra ver se aquele "the one" volta.  Mas vou te dar uma triste notícia: ele não volta. Não volta porque se acabou de um jeito trágico, nem deve voltar, e se voltar vai dar merda! A gente também acha que o mundo vai acabar, mas não acaba (não por causa de um boy).  O que eu já percebi é que depois de um tempo a gente não sente falta daquela pessoa em especial: a falta é de ter alguém, quem sabe até melhor. Alguém pra te acompanhar e dividir o fardo,…