Pular para o conteúdo principal

Talvez.

Após quase me afogar em um mar de sentimentos que eu desconhecia depois de tanto tempo sem sentir, de volta estou, ainda tentando respirar. Eu não digo que tenha algo de errado com a minha respiração no sentido literal da coisa, mas naquele ato de inspirar e me sentir tranquila, o que está sendo impossível de acontecer. Tomei coragem pra expor o que antes tinha dificuldade, e não sei se me sinto melhor depois disso. Talvez tenha sido por impulso de algo que estava sufocado dentro de mim há muito tempo, e as folhas de caderno e tinta de canetas não tenham sido fortes o suficiente pra prender meus pensamentos em uma linha reta de pensamentos e versos, que com certeza ficariam guardados na caixinha de memórias, ou debaixo da minha cama (quando eu fico com sono e desisto de escrever).
Já faz muito tempo, e para não dizer que não me lembro de datas, aprendi a decorar: 1 ano e 4 meses. Por mais que você tenha lembrado da data, e eu ter aprendido a contar isso, eu ainda procuro o momento exato em que você se tornou parte de mim, e me pergunto se posso definir isso com uma data, hora, palavra, filme ou lugar. Eu não encontro. Nunca. Só sei que se tornou, e sei que ao expulsar tudo o que habita em mim, voltarei para os meus 19 anos. Como? Porque depois que te conheci aprendi a crescer, aprendi a ver os outros, aprendi a esquecer do meu umbigo quando necessário. Aprendi a ouvir, e aprendi que nem sempre o silêncio significa esquecimento... Mas ainda me restam dúvidas de que entre todas as coisas que eu aprendi (sem sua intenção), eu realmente aprendi essa última lição. O seu silêncio realmente não significa esquecimento? Porque eu daria tudo pra ouvir sua voz em momentos como esse, e você dizer que tudo passa e que são coisas da vida. Eu juro que quando aparece esse aperto, ou qualquer alegria, a primeira pessoa que eu quero contar é com você. Mas eu preciso a qualquer custo aprender alguma coisa com esse silêncio, eu juro que estou tentando. O eco me incomoda cada vez mais, e as dúvidas se multiplicam a cada minuto silencioso em que eu lembro de todas as manhãs, tardes e noites.
Voltando do trabalho, o trânsito estava horrível, e eu dormi. Acordei com as janelas do ônibus abafadas, e eu me transportei pra outra data. O seu cheiro dominou minha mente, mas eu sei que não estava presente em lugar nenhum a não ser ali no meu psicológico. Senti saudade. Outra situação foi lembrar daquela rosa que eu nunca ganhei, mesmo tendo comentado que eu nunca ganhei uma. Ganhei um emoji, mas a rosa com seu perfume jamais... Por que? Seu significado jamais seria confundido, porque quem sente apenas sou eu.  Lembrei do mar, eu contando sobre a minha vida e você pedindo pra eu não chorar. Eu juro que não ia chorar, mas não posso te garantir que não faça isso quando voltar lá sozinha.
São em noites como hoje, que todas estão iguais. Eu sinto sua falta como se nunca mais fosse te ver, e de certa forma isso é verdade. Talvez daqui a alguns anos eu entenda o porque tudo isso se transformou nesse vácuo. Talvez daqui a alguns anos eu ainda esteja me questionando, por nunca encontrar respostas. Quantos anos significa "alguns", e por quanto tempo conviver com essa falta desnecessária? Bastaria apenas você lembrar... Ou esquecer de uma vez por todas.

Obrigada por tudo o que nunca foi. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Eu não quero mais sentir saudade

Queria desabafar sobre coisas que talvez um dia você leia e entenda.
Queria dizer  que tem sido difícil  abrir mão do que eu prometi pra mim, pois abrir excessão nem sempre é a coisa mais fácil a se fazer. Eu prometi, fiz um voto selado pela minha própria  desistência de que meu coração havia sido fechado pra balanço. Eu andava meio sei lá, nem aí pra vida ou pra alguém... a ausência da saudade e do querer estar perto.  Os conflitos gerados dentro da minha própria mente já  haviam me conduzido  pra um caminho onde nada mais importava além da minha vida, da minha felicidade, do meu umbigo, das minhas necessidades. E ai... você chegou.
Gostaria de dizer que chegou do nada, que em um dia chuvoso você apareceu na estação de metrô, olhei pra você e sabia que você era o que eu procurava (ja conhecemos essa história, que é linda, mas não é nossa). Posso dizer que chegou de repente, me fez dar boas risadas mas a princípio não era o meu motivo. Precisei quebrar a cara algumas vezes, mesmo dep…

O seu guarda chuva amarelo

Que bobagem acreditar tão fortemente em amor verdadeiro. Que ingenuidade achar que existe uma pessoa que está esperando por você na hora e lugar certo. Que loucura achar que esse alguém era você.
Tudo dizia pra mim que eu finalmente tinha encontrado... A gente tinha tanta coisa em comum! O fluxo era perfeito, alguns desentendimentos, mas qual casal não tem? É, tudo conspirava a favor, até nos dias mais difíceis. E quando dava errado, ou você parecia meio distante eu fazia dar certo, porque afinal, o amor é daqueles que não desistem. Mas você desistiu, e o amor não foi mais pra gente.
O tempo passou, e no começo onde tudo isso mais doía do que me aliviava, eu me sentia estúpida por acreditar em toda a história de que todo mundo tem o seu guarda chuva amarelo por aí. "Mas que bobagem! Onde já se viu alguém esperar tanto pelo amor? Esperar tanto dele?". Então, um dia veio a força. A força e a coragem de continuar esperando... Por alguém que talvez já tenha até passado pela min…

A saudade é de alguém, não de você

Quando a gente se acostuma a se relacionar com uma pessoa, o término pode dar aquela amostra grátis do fim do mundo: a gente acha que pode até morrer de amor e de saudade (morre nada, linda! Tô vivíssima), que nunca mais vamos encontrar alguém "que te entenda, complete e blablabla". A verdade é que isso é tudo lorota. Existem 63764874638263828473737382482 pessoas no universo, e com certeza alguém melhor (ou quem sabe até um sósia) você vai encontrar.  A gente fica na bad por dias, meses, emagrece, tenta ficar mais bonita pra ver se aquele "the one" volta.  Mas vou te dar uma triste notícia: ele não volta. Não volta porque se acabou de um jeito trágico, nem deve voltar, e se voltar vai dar merda! A gente também acha que o mundo vai acabar, mas não acaba (não por causa de um boy).  O que eu já percebi é que depois de um tempo a gente não sente falta daquela pessoa em especial: a falta é de ter alguém, quem sabe até melhor. Alguém pra te acompanhar e dividir o fardo,…