Pular para o conteúdo principal
É bem fácil fugir de um passado nem tão distante quando tem pessoas ao nosso redor com total disposição para ajudar. É claro que em meio a todos os que realmente querem nosso bem (que são poucos), sempre terão os oportunistas e egocêntricos tentando te enganar. Tudo bem, o mundo não é feito só de coisas boas, se não... Como aprenderíamos? Errei bastante, e não fui só eu. Mas quem poderá julgar e apontar todos os errantes? Seria um erro maior ainda. Afinal, o que somos? Seres humanos feitos apenas para viver numa linha reta, ou seguirmos nossa eterna teimosia, no final aprendendo alguma coisa? Eu nunca quis proteção eterna, e sei que ainda há muito o que viver, até porque minha vida está no começo. Já vivi muita coisa, mas tem muito o que acontecer, e não posso desistir ao ver apenas um degrau. Clichê talvez dizer que a vida é uma escada, mas na verdade é. Bom, isso não vem ao caso agora. O fato é que tem sido fácil encarar tudo o que está acontecendo, porque de certa forma me sinto mais forte. Há exatamente uma semana atrás recebi uma daquelas notícias de te tirar do sério, de te fazer tremer de raiva, ou algo do tipo. E então somei isso com mais um pouco, multipliquei pelo estado doentio de uma das pessoas mais importantes da minha vida, e vi que o problema que eu achava que tinha, não é exatamente um problema... E sim um personagem que eu inventei. Porque NÃO, você NÃO existe. Existia só pra mim, mas dei um jeito de desmascarar isso em algum lugar da minha mente. E agora sei que sou feliz vivendo a realidade... A minha realidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A saudade é de alguém, não de você

Quando a gente se acostuma a se relacionar com uma pessoa, o término pode dar aquela amostra grátis do fim do mundo: a gente acha que pode até morrer de amor e de saudade (morre nada, linda! Tô vivíssima), que nunca mais vamos encontrar alguém "que te entenda, complete e blablabla". A verdade é que isso é tudo lorota. Existem 63764874638263828473737382482 pessoas no universo, e com certeza alguém melhor (ou quem sabe até um sósia) você vai encontrar.  A gente fica na bad por dias, meses, emagrece, tenta ficar mais bonita pra ver se aquele "the one" volta.  Mas vou te dar uma triste notícia: ele não volta. Não volta porque se acabou de um jeito trágico, nem deve voltar, e se voltar vai dar merda! A gente também acha que o mundo vai acabar, mas não acaba (não por causa de um boy).  O que eu já percebi é que depois de um tempo a gente não sente falta daquela pessoa em especial: a falta é de ter alguém, quem sabe até melhor. Alguém pra te acompanhar e dividir o fardo,…

Talvez.

Após quase me afogar em um mar de sentimentos que eu desconhecia depois de tanto tempo sem sentir, de volta estou, ainda tentando respirar. Eu não digo que tenha algo de errado com a minha respiração no sentido literal da coisa, mas naquele ato de inspirar e me sentir tranquila, o que está sendo impossível de acontecer. Tomei coragem pra expor o que antes tinha dificuldade, e não sei se me sinto melhor depois disso. Talvez tenha sido por impulso de algo que estava sufocado dentro de mim há muito tempo, e as folhas de caderno e tinta de canetas não tenham sido fortes o suficiente pra prender meus pensamentos em uma linha reta de pensamentos e versos, que com certeza ficariam guardados na caixinha de memórias, ou debaixo da minha cama (quando eu fico com sono e desisto de escrever).
Já faz muito tempo, e para não dizer que não me lembro de datas, aprendi a decorar: 1 ano e 4 meses. Por mais que você tenha lembrado da data, e eu ter aprendido a contar isso, eu ainda procuro o momento ex…
Escrevi mil coisas e apaguei tudo, mas me esqueci que quando falamos de sentimentos não há certo ou errado em dizer.
Estou aqui de novo com aquela sensação esquisita, que da última vez que quebrei a cara prometi que faria de tudo para não sentir de novo. Mas e aí, como eu controlo? É estranho, involuntário... Quando menos esperava, já estava sentindo de novo. O balão não para de crescer, o ar não para de faltar, e esse vazio a cada minuto ocupa um espaço maior ainda. Me sinto mal por não saber lidar, por não saber interpretar que quando você me diz que é pedra, realmente é pedra... E minhas ondas batendo não vão te amolecer.
Demonstro. Com medo, nas entrelinhas, mas demonstro. Eu sou assim, e cedo ou tarde iria fazer, porque não vejo problemas em demonstrar o que eu sinto, o que é bonito e temos que realmente mostrar. Minutos depois eu sempre espero o arrependimento, mas ele não chega. Dias depois ele vem, quando analiso os fatos e seu comportamento estranho. 
Me importo. Com os dois…